Social Icons

facebookGoogle+rss feedemailpinterestyoutube

DESTAQUE

30 de jul de 2015

Parque D. Pedro Shopping recebe Camila Coelho em ação da Granado


• Blogueira dará dicas de automaquiagem; evento gratuito dia 3 de agosto
• Ela tem mais de 3 milhões de seguidores nas redes sociais

Sincera e talentosa, Camila Coelho, a blogueira que tem milhares de fãs nas redes sociais, ‘desembarca’ no Parque D. Pedro Shopping na próxima segunda-feira, dia 3 de agosto. Ela dará dicas de automaquiagem em um palco que será montado exclusivamente para o evento, das 18h às 20h.

Camila, uma mineira de 1,62 m que mora em Boston, Estados Unidos, desde os 14 anos de idade, começou a fazer sucesso no YouTube aos 17 anos com tutoriais, dicas e truques de maquiagem. Em 2011, a pedido das fãs criou o blog ‘Super Vaidosa’, com mais conteúdo, acrescentando dicas de moda e beleza feminina. Daí para virar capa de revista, entre elas a ‘Estilo’ e  a ‘Women´s Health’, foi rápido. Atualmente, Camila tem 2,1 milhões de inscritos em seu canal no YouTube e 2,5 milhões de curtidas no Facebook, além de mais de 3 milhões de seguidores no Instagram.

A blogueira vem ao Parque D. Pedro Shopping a convite da Granado. O palco será montado na entrada da Alameda Parque D. Pedro e terá capacidade para 30 pessoas sentadas. Haverá sorteio e três clientes serão maquiadas pela blogger que apresentará os itens que ela mais gosta da linha de maquiagem da Granado, desenvolvida especialmente para a pele da mulher brasileira. Para concorrer, basta comprar um produto de maquiagem na loja até o dia do evento, aberto ao público.

Serviço
Workshop de maquiagem com Camila Coelho
Onde: Palco em frente da loja Granado, localizada na Alameda D. Pedro
Quando: segunda-feira, 3 de agosto
Horário: das 18h às 20h

LOJA VIRTUAL OU LOJA FÍSICA? ENTENDA PORQUE É PRECISO TER AS DUAS

Texto por Lilian Monteiro*

Nos dias atuais o comércio eletrônico de bens de consumo cresce a cada dia no país, e está se tornando um hábito dos consumidores comprar pela internet. Não há muitos anos uma das preocupações de quem estava abrindo seu próprio negócio era o ponto comercial. Essa preocupação não deixou de existir, mas o comércio eletrônico trouxe para quem está empreendendo uma alternativa diferente para os negócios.

Tanto que até as grandes lojas do varejo brasileiro que dominam o mercado há anos estão investindo em lojas virtuais para possibilitar um canal a mais para atrair e manter clientes.

Para quem tem o interesse em investir em uma loja virtual, uma loja física ou mesmo os dois ao mesmo tempo, antes de qualquer coisa é necessário pesquisar e estudar as vantagens e desvantagens desses modelos de negócios. Muito dos trabalhos que se tem em uma loja física, também se tem em uma loja virtual, de forma e dimensões diferentes, por isso as pessoas se enganam ao achar que o trabalho de uma loja física é muito mais dinâmico e volumoso do que de uma loja virtual.

Veja a seguir uma abordagem simples e objetiva sobre os fatores que impulsionam o crescimento do comércio eletrônico, as vantagens de utilizar essa ferramenta e um comparativo entre loja virtual e loja física.

1. As lojas virtuais devem presar pela mesma organização que existe nas lojas físicas, facilitando para o consumidor a navegação pelas categorias de produtos, visualizando as descrições, fotos em alta definição e, ainda, ser capaz de adicionar os itens ao carrinho de compras de forma a pré-selecionar o que tenha gostado.

2. Uma loja física deve treinar toda equipe de vendas, assim como a loja virtual e seu administrador devem estar preparados para atender ao mais alto nível de satisfação de seus clientes, seja com a descrição correta de produtos, a entrega nos prazos prometidos ou, ainda, nos detalhes de coordenação de produtos (sugestões). Os clientes virtuais tendem a ser muito mais exigentes, basta um clique para se mudar de loja.

3. O fato da internet ser uma ferramenta sem fronteiras permite que qualquer usuário no país tenha acesso ao seu site. Na minha opinião, essa é a maior vantagem da loja virtual, que ganha disparado da loja física em alcance de público-alvo. Pense estrategicamente, talvez na sua cidade não haja público suficiente para manutenção de um determinado tipo de produtos (tecidos ecológicos, por exemplo), mas operando via e-commerce você pode atingir interessados muito distantes de você.

4. Outra vantagem da loja virtual é o horário de funcionamento (24 horas por dia, 7 dias da semana), basta que seu cliente tenha acesso a internet e seu site esteja funcionando corretamente para a compra ser uma oportunidade. Certifique-se que sua loja opera adequadamente na versão mobile, pois cada vez mais as pessoas compram via celular e tablet.

5. Se enga quem pensa que o custo de uma loja online é pouco ou que não existe. Ele pode ser equiparável ao de uma loja física pequena. Na loja virtual os principais custos são com hospedagem, domínio, criação do site, SEO para campanhas de marketing, fotógrafo e designer para fotos dos produtos, produtor de moda para cuidar das peças, sugerir coordenações no site e alimentar as especificações dos artigos e pessoal para atender aos clientes (SAC), gerar nota fiscal e despachar as mercadorias. Dependendo do seu volume de vendas até um estoquista pode ser necessário.

A internet encurta distâncias e potencializa as vendas, mas não deve ser sua única opção. Afinal, nada substitui o contato humano. Tradicionais marcas do varejo online, como a Dafiti, Amazon, Google e Birchbox tem aberto operações físicas. Temos que lembrar que os consumidores cada vez mais buscam no ato de comprar uma experiência diferente, prazerosa, quase lúdica e enxergam os canais de uma marca como uma única coisa, aquilo que chamamos de one-channel. O cliente quer se relacionar com a sua marca e não com seu canal de vendas. Ele pode, por exemplo, estar dentro na sua loja física fazendo a compra na sua loja virtual.


Enfim, seja loja virtual e/ou loja física a essência e o desafio do varejo ainda são os mesmos: encantar o consumidor. 

*Lilian Monteiro é colunista colaborativa do MMdaMODA. Formada em Moda pela Faculdade Santa Marcelina, com especialização em Consultoria de Moda e Estilo pelo Senac, atua no varejo como Coordenadora Regional de Visual Merchandising nos segmentos de Vestuário e Lar e possui uma marca própria de Camisetas que leva seu nome desenvolvendo trabalhos artesanais (liliansantos.monteiro@gmail.com|www.lilianmonteiro.com.br)

27 de jul de 2015

MESMO EM EXPANSÃO E-COMMERCE NÃO AMEAÇA PROFISSÃO DE VISUAL MERCHANDISER

Texto por Surya Guimaraens*

Com o advento do e-commerce o mercado de trabalho para o visual merchandiser vai encolher? Esse é o principal temor de quem pretender ingressar na área, afinal, são tantas lojas que não possuem um ambiente físico, apenas a webstore.

A resposta parece óbvia, mas não é, já que as oportunidades estão presentes também no contexto online. É preciso entender, antes de mais nada, o que faz um visual merchandiser, pois se no varejo físico o trabalho dele consiste em montar vitrines, ambientar a loja, planejando espaços e coordenando produtos, agora tudo isso também terá que ser explorado no ambiente virtual.

Exatamente isso! Quando se fala em visual é o VM que entra em cena. E a webstore precisa ser uma extensão da loja física, o cliente precisa identificar em ambos contextos sua marca favorita, ou seja, ela busca a mesma estética, comunicação e setorização de produtos.

Quando a loja é uma operação somente virtual, como são a Net-a-Porter e a Netshoes, são denominadas de Pure Player. E, até mesmo as pure players precisam perceber que diretrizes de visual merchandising são extremamente relevantes, pois além de auxiliar no reforço da identidade de marca, facilitar o encontro dos produtos por sugestões (através de menos cliques) e aumentar as vendas, uma política de visual merchandising bem definida será útil no momento de tornar essa loja online uma loja física.

Esse movimento, aliás, é uma tendência no varejo e já chegou até na maior operação de moda online do Brasil, como é o caso Dafiti Live, sediada na Rua Oscar Freire, em São Paulo/SP. Outros nomes, como a Amazon e Google também abriram suas primeiras lojas físicas, mas a maior repercussão ficou a cargo da BirchBox (falamos dela nesse post).


Para entender melhor a atuação do visual merchandiser na web, e a riqueza de seu trabalho nesse novo segmento, apresento a descrição de uma vaga para Net-A-Porter, em Nova York:

Visual Merchandiser Online
NET-A-PORTER é uma varejista da internet, conceituada na moda de luxo com marcas reconhecidas mundialmente, preza por uma qualidade de serviço excepcional e de olho nas tendências. Com um mercado interno e global em expansão e as receitas aumentando mês a mês, uma mudança estratégica crítica já está em curso, afim de atingirmos o objetivo de dominar o setor, sendo bem-sucedida no varejo online. Como tal, estamos buscando um visual merchandiser talentoso e original, com conhecimento em moda, para trabalhar com nossa equipe de estúdio e trazer o portfólio NET-A-PORTER de produtos para a vida. Você irá trazer um estilo inovador e assim melhorar constantemente a experiência de compra no NET-A-PORTER.

Responsabilidades do dia-a-diaŸ 
  • ŸIrá estabelecer parceria com os fotógrafos para precisão na entrega de imagens e auxiliar na construção dos cenários de acordo com padrões da NET-A-PORTER.
  • Desenvolver o perfil de designers, marcas, tendências de passarela para os editoriais.
  • Participar de apresentações e oficinas de tendências de grifes para assegurar a consistência de estilo e estratégia de compras.
  • Trabalhar com editor de VM para interpretar e implementar as tendências da passarela para o carregamento de produtos semanais.
  • Escolher roupas e apresentar sugestões para o editor de VM aprovar.
  • Supervisionar o Assistente de Visual Merchandising e estagiários na limpeza de manequins e equipamentos para garantir produções de alto padrão.
  • Aprovação das imagens.
  • Certificar-se de que não mais do que 5% de suas imagens serão refotografadas (reshot) por semana.
  • Coordenar as refilmagens quando exigido.
  • Reuniões para fazer uploads de imagens semanais.
  • Analisar relatórios semanalmente para garantir que os produtos adequados estão sendo destacados no site.
  • Assegurar que o estúdio de fotografia esteja organizado e ordenado com registro de recebimentos e lista de equipamentos fornecidos para a equipe de editorial.
O varejo é um organismo vivo, está em constante transformação, precisa se reinventar e cada vez em períodos menores, por isso, é preciso estar sempre antenado as mudanças do mercado e do consumidor, estudar, pesquisar, ler bastante e sempre que possível participar de cursos, workshops, palestras sobre varejo e visual merchandising.

As Pure Players estão aumentando em quantidade, qualidade e faturamento. E hoje já se sabe que os movimentos que vingam nos EUA chegam no Brasil aproximadamente em dois anos. Então, caro leitor (a), ainda dá tempo para se preparar para as oportunidades, seja para o varejo online ou off-line. 

*Surya Guimaraens é colunista colaborativa do MMdaMODA. Formada em Relações Públicas, cursou Visual Merchandising e Produção de Moda no Senac. Atua no varejo de moda, responsável pela aplicação das técnicas de VM em uma loja de departamentos e trabalha como designer de bijuterias para marca que leva seu nome (surya@suryaguimaraens.com.br).
 
Blogger Templates