Preparação da loja para campanhas de Fast Fashion

catalogos-de-moda-2
No varejo de moda é tudo muito rápido, a loja recebe muitos produtos, divididos por tendências, catálogos e coleções, muitas vezes assinados por um estilista ou que levam o nome de alguma celebridade.
 +
Esse dinamismo se da porque os magazines e as lojas de departamentos, em sua maioria, trabalham com o modelo de fast fashion, que proporciona um giro rápido de produtos. Na maioria das vezes as lojas recebem apenas um pack de peças ou alguns modelos com aposta maior de vendas são entregues em no máximo dois packs. Em fim, é preciso encaixar todo esse material no ponto de venda (PDV).
 +
Quando as lojas recebem da matriz a orientação para expor os produtos de uma campanha no PDV, é preciso preparar toda a ambientação com o tema e, para isso, cada filial recebe o material a ser utilizado nas vitrinas e nos equipamentos, testeiras, fila única, capa de antena, banner, cubo e outros materiais, todos reproduzindo a ambientação do catálogo.
 +
Cada um desses materiais de comunicação tem uma função específica e importante para compor o cenário: a fila única indica onde começa a fila do caixa; a testeira fica na parte superior das araras para indicar os preços e sugestões de looks que o cliente encontra em cada equipamento; as capas de antena vestem o equipamento de segurança que fica na entrada da loja (com dispositivo de alarmes); o banner e o cubo são elementos muito usados para a ambientação das vitrines.
+
Dessa forma, toda a loja, até os itens de sinalização e segurança, se parecem com o catálogo distribuído ao cliente e os comerciais veiculados na televisão, para que eles entrem no clima dos temas de cada campanha.
 +
Testeira de equipamento.
+
Parece informação demais, mas essas lojas recebem um público massificado que gosta de vivenciar toda essa ambientação, ele se sente à vontade para entrar e escolher seus produtos favoritos. E, como se sabe, o giro de clientes dentro de um magazine é muito grande, por isso, o ambiente não parece cansativo.
 +
Para a aplicação das técnicas de visual merchandising no PDV dessas lojas, a cada catálogo que vai ser lançado, a loja recebe um caderno de orientação, que explica de forma simples como será feito cada agrupamento, qual tipo de arara que deve ser utilizada e quais peças que podem ser expostas em cada agrupamento.
 +
Material de comunicação visual na capa de antena
+
Os agrupamentos respeitam uma ordem de precificação que é do menor preço logo na entrada da loja para o maior preço no fim da trilha, caso falte algum produto, o que acontece com frequência, deve ser usado um semelhante e com o mesmo valor da orientação, e sempre os produtos de catálogo são expostos na trilha principal. Ao termino da preparação do ambiente de venda, os catálogos são dispostos na entrada da loja para distribuição.
 +
Assim quando os clientes chegarem, já com o catálogo em mãos, vão se encantar com o universo para onde estão sendo conduzidos, com muitas novidades e poucas peças sugerindo exclusividade. O cliente buscará alucinadamente seus produtos de desejo, um desejo recém-adquirido, praticamente ao abrir o caderno de sugestões de compras. 
(Visited 207 times, 1 visits today)
SHARE THIS

RELATED ARTICLES

2 COMENTÁRIOS

    1. Olá Alisson! Obrigado por sua contribuição. Os artigos visam atender à todos, dos iniciantes aos experientes, por isso, fazer essa adequação em textos curtos para a internet é um pouco complicado. A ideia é que quem não entender algo técnico possa buscar no próprio site pelas respostas, que certamente estarão expostas em outros artigos.

LEAVE COMMENT

Curso livre a distância

CURSO LIVRE (a distância) EM VISUAL MERCHANDISING DE MODA

O curso online de Visual Merchandising de Moda do MMdaMODA abrange conceitos teóricos e práticas de mercado e está pautado em fotos, vídeos, cases de sucesso e materiais complementares, como artigos e reportagens.

Saiba mais